Armamento e Tiro

  • Imagens da Aula
  • +
  • +
  • Curso

Captura de tela em 2014-02-18 17:28:48

Captura de tela em 2014-02-18 17:29:32

Captura de tela em 2014-02-18 17:29:45

Esta Aula pertence ao Curso de Básico Sobre Balística oferecido pela Ensino Nacional

certificado2

ARMAS, CONCEITOS E DEFINIÇÕES
Armas:
O que é arma: É todo meio capaz de aumentar o poder ofensivo e defensivo de uma pessoa.

Armas de fogo:
Conceito: Arma de fogo é o dispositivo que impele um ou vários projéteis através de um cano pela pressão de gases em expansão produzidos por uma carga propelente em combustão.

Definições:
Calibre – medida do diâmetro interno do cano.
Raias – são sulcos helicoidais paralelos abertos na arma, dão sentido de rotação do projétil, dando-lhe precisão.
Cheios – são nervuras entre as raias.
Passos – distância entre as raias.
Ferrolho – componente que se movimenta para trás e para frente, com a finalidade de abrir ou fechar o mecanismo ou ação. Vários tipos de armas de fogo usam diferentes tipos de ferrolhos.

CLASSIFICAÇÃO DAS ARMAS DE FOGO
Quanto à Alma do Cano:
• Alma é a parte oca do interior do cano de uma arma de fogo.
• Vai desde a culatra até a boca do cano, e orienta o projétil. (Obs: Culatra: é o fundo do cano.)
• Pode ser lisa ou raiada, depende do tipo de munição para o qual a arma foi projetada:
Lisa: é isenta de raiamentos, com superfície polida. Está presente, por exemplo, nas espingardas. Possuem sistema redutor, com a finalidade de controlar a dispersão dos bagos de chumbo.
Raiada: quando o interior do cano tem sulcos helicoidais, destinados a forçar o projétil a um movimento de rotação.

Quanto ao Tamanho:
Armas curtas:
• Pistolas: termo que antes era aplicado a todas as armas de mão, mas agora se limita às armas de um só tiro (normalmente com alma lisa) e às semiautomáticas. É para ser disparada com uma mão.
• Revólveres: arma curta de repetição. Os cartuchos são colocados em um tambor atrás do cano, podendo ser de mecanismo de disparo de ação simples ou dupla.

Armas longas – Raiadas:
• Rifles: termo, de origem inglesa, que significa o mesmo que fuzil. Arma longa, portátil, podendo ser: de uso militar/policial ou desportivo; de repetição, semi ou automática. Ainda há as seguintes subdivisões:
• Fuzil de assalto: fuzil militar de tamanho intermediário entre um fuzil e uma carabina.
• Carabina: versão mais curta de um fuzil de dimensões compactas. O cano é superior a 10 poleadas e inferior a 20 polegadas (geralmente fica entre 16 e 18 polegadas).
• Submetralhadoras: é também conhecida como metralhadora de mão, classificada assim por possuir cano de até 10 polegadas de comprimento. Usa cartuchos de calibres equivalentes aos das pistolas semiautomáticas.
• Metralhadoras: arma automática. Usa cartuchos de calibres equivalentes ou superiores aos de fuzis semiautomáticos. Geralmente precisa de mais de uma pessoa para sua operação.

Armas longas – Lisas:
• Espingarda: arma que usa cartuchos de projéteis múltiplos ou de caça.

Quanto ao Tipo:
• De porte: são aquelas que podem ser acondicionadas em um coldre em razão de seu pouco peso e volume.
• Portátil: são as que devem ser transportadas com auxílio de uma bandoleira, em razão de seu peso e volume.
• Não portátil: são aquelas que só podem ser transportadas embarcadas em viaturas ou divididas em partes e transportadas por grupos de homens, devido ao seu peso e volume.

Quanto ao Emprego:
• Individual: destina-se à proteção de quem conduz.
• Coletiva: destina-se à proteção de um grupo de homens.

Quanto ao Sistema de Funcionamento:
• Repetição: arma capaz de ser disparada mais de uma vez antes que seja necessário recarregá-la.
• Ação simples: termo que se refere a revólveres que precisam ser engatilhados a cada vez que se dispara, ou então a pistolas semiautomáticas que necessitam armar o cão ou puxar o ferrolho antes do primeiro tiro.
• Ação dupla: capacidade de uma arma de atirar cada vez que o gatilho é puxado, sem que seja preciso armar manualmente o cão ou o percussor entre os disparos.
• Semiautomático: sistema no qual a ação faz a arma atirar, ejeta o cartucho, insere outro e rearma o mecanismo de disparo, apenas com o acionamento da tecla do gatilho, necessitando da liberação e do acionamento posterior do gatilho para um novo disparo.
• Automático: sistema no qual a arma, diante do acionamento do gatilho (enquanto estiver pressionado) atira continuamente, ejetando e realimentando a arma até que se esgote a munição ou cesse a pressão sobre o gatilho.
Obs: Quanto ao Sistema de Funcionamento, podem ser ainda:
• Antecarga: arma de fogo que deve ser carregada pela boca do cano.
• Retrocarga: arma de fogo que deve ser carregada pela parte de trás ou extremidade da culatra.

PARTES DA ARMA
Para exemplificar as partes de uma arma de fogo, veja o revólver. Ele se divide em quatro partes.
1 → Cano
É um tubo cilíndrico, raiado, do qual o projétil é disparado. Nele encontra-se a massa de mira, boca e culatra.
Obs: Massa de Mira – É a projeção na ponta do cano, indicando a direção que tomará o projétil rumo ao alvo.

2 → Tambor
É um tubo cilíndrico vazado que pode ter de cinco a até nove câmaras. Possui vareta do extrator e extrator.
• Câmaras: alojamento de munições.
• Vareta do Extrator: auxilia o giro do tambor. Serve para reter munições intactas ou retirar cápsulas deflagradas.3 → Armação
Armação é a carcaça da arma (esqueleto), a qual protege o mecanismo. Tem como parte fundamental o guarda-mato e a ponte, onde está a alça ou entalhe de mira.
• Dedal serrilhado: destrava e abre o tambor;
• Tecla do gatilho: aciona o recuo do cão e a rotação do tambor, até o escape do cão.
• Guarda-mato: protege o gatilho em caso de queda ou obstáculo qualquer.
• Entalhe de mira (fixa) ou alça de mira (regulável): serve para fazer a visada, alinhando-se com a massa de mira.

4 → Mecanismo ou Guarnição
Mecanismo ou Guarnição: são peças que exercem o funcionamento da arma.
• Cão e Percutor: serve para disparar o tiro, ferindo a espoleta do cartucho.
• Percussor ou Percutor: peça fixa no cão ou móvel, embutida na armação que é lançada do cão, esmaga a espoleta.

MUNIÇÃO
A munição, em relação à espoleta, pode ser de dois tipos:

Fogo Central
A percussão ocorre em uma espoleta (depósito de mistura iniciadora) localizada no centro da cabeça do cartucho.
Fogo Circular
Quando a mistura iniciadora está contida na circunferência interna da cabeça, constituindo um anel.PROJÉTEIS
Projéteis para o tiro
• Ogival: forma de ogiva. Pode ser jaquetada. É mais pesada, portanto possui menor velocidade. Proporciona mais precisão e menos recuo.
• Canto Vivo: fabricado originalmente para tiro ao alvo. Sua forma cilíndrica o torna um pouco mais lento.
• Semi-canto Vivo: apresenta uma performance mais dinâmica no equilíbrio, penetração e impacto. Consegue uma trajetória mais longa.

Projéteis para defesa
São de uso especial, para obter maior poder de parada, servindo para defesa. Existem vários tipos de projéteis, com formatos diferentes dos convencionais. Veja alguns destaques:
• Hollow Point: projétil de ponta oca. Obtém com isso pouca penetração e grande poder de parada.
• Short Shell: utilizado para caça de pequenos animais, como pássaros e cobras.
• Silver Tip: apesar de se assemelhar a uma prata, não é constituída deste material. É uma ponta oca com núcleo de chumbo e jaqueta de alumínio.
• Hidra Shock: desenvolvido a partir do hollow point. Possui um pino metal endurecido no centro da cavidade, que eleva-se no núcleo de chumbo e aumenta a expansão e fragmentação do projétil. É uma das munições de defesa mais eficientes, superada apenas pela glaser.
• Glaser: projétil dotado de três componentes: jaqueta de cobre, jaquetada com balins finos, que ficam no interior formando o núcleo. E uma capa plástica que fecha a abertura da jaqueta. Tem peso extremamente pequeno, portanto atinge uma velocidade inicial altíssima.  Ao atingir o alvo, fragmenta-se totalmente, produzindo uma transferência completa de energia.
Obs: Veja suas características para o uso no combate de rua:
• Não produz ricochete (mesmo se disparado em muros ou pavimentos);
• A munição tem capacidade de penetração em superfícies duras (como vidros e portas de carro);
• Exploder: carrega elemento explosivo dentro da cavidade normal de uma ponta oca, aumentando o impacto e o poder de parada.
• Metal Piercing: desenvolvida para a polícia americana. Possui formato cônico, sendo umas das que mais tem poder de perfuração. Pode atravessar automóveis ou paredes de madeira, metal e vidro.

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS PARA O TIRO DE DEFESA
São cinco os princípios fundamentais:
Empunhadura, Posição do Corpo, Saque, Visada e Acionamento do Gatilho.
1. Empunhadura
• Princípio básico, pois se o atirador fizer a empunhadura torta, os demais fundamentos não irão permitir o acerto do tiro.
• É feita com a mão direita, onde os quatro dedos ficam sobrepostos sobre a mão abaixo do guarda-mato, cuidando para não colocar o dedo polegar atrás do cão do revólver. (Se for canhoto, inverte-se).
• No caso da empunhadura de suporte, a mão que segura a arma deve estar apoiada sobre a outra mão.

2. Posição do Corpo
• O instinto do atirador deve inicialmente indicar um abrigo que o impeça de ser atingido por projéteis que eventualmente possam estar sendo lançados a ele.
• Protegido, ele pode tomar uma posição para contra-atacar.
• Se for em campo aberto, o atirador deverá sacar sua arma bem empunhada e direcionar o corpo para o lado de seu agressor.
• Atenção para flexionar os joelhos, deixar os pés paralelos na largura aproximada dos ombros.
• A arma é levada à frente, no eixo do corpo com o cano paralelo ao chão.
• O braço livre dará equilíbrio para o corpo.
• Na maioria das vezes os tiros disparados em combate variam entre meio e sete metros.
• Dessa forma não há tempo de se usar o aparelho de pontaria da arma.
• Flexionar as pernas diminui a silhueta do atirador frente ao agressor, facilitando o deslocamento para qualquer direção.
• Acima de sete metros, o atirador pode usar as duas mãos para segurar a arma mais firmemente.
Posições clássicas:
• Isósceles: dois braços esticados em frente ao corpo, puxando a arma para si, empunhada com firmeza.
• Weaver: o braço que empunha a arma fica esticado, enquanto o outro fica semiflexionado, puxando a arma contra o atirador. A cabeça fica pendida ligeiramente para o lado do braço esticado, com as pernas em posição de equilíbrio.
• Ajoelhado com ou sem apoio e deitado: posições que oferecem mais segurança na execução do tiro.
3. Saque
• É o princípio em que o atirador retira sua arma do coldre e a direciona para o alvo no menor tempo possível e de forma precisa.
• Deve ser feito de maneira a não comprometer a empunhadura.
4. Visada
• Visada semi normal instintiva: quando a distância permite mais tempo para melhorar a visada (geralmente maior que 10 metros), pode-se elevar a arma até a a altura dos olhos ou dos ombros, sem comprometer a segurança, e alinha-se o cano por cima, na direção do alvo. Não se esqueça da firmeza do antebraço.
• Visada instintiva: para um tiro próximo, com rapidez e precisão, é utilizado o princípio da empunhadura perfeita, em que a visada faz parte do cano da arma. Essa triangulação será perfeita se o antebraço estiver alinhado e firme. O ponto visado deve ser uma área com uma região central, como firmar o olhar sobre a região abdominal, por exemplo. O treino é essencial para que a pontaria seja precisa e se obtenha sucesso num confronto.
Obs: O saque rápido é muito importante no processo do tiro instintivo.
Pontaria Visada:
• Linha de Mira: é a reta que parte da alça de mira (ou entalhe) e vai até a massa de mira.
• Linha de Visada: é a linha que parte do olho, passa pela alça de mira nivelada na massa de mira e termina no alvo.
5. Acionamento do gatilho
• É o momento do disparo.
Obs: Olho Diretor
O olho diretor é também conhecido como o olho bom de tiro. Para saber qual é o seu, veja os passos a seguir:
1. Com os dois olhos abertos, focalize em um objeto.
2. Aponte com o indicador para esse alvo.
3. Em seguida, feche um olho por vez. O olho que visualizar o dedo exatamente sobre o alvo é o seu “olho diretor”.NORMAS DE SEGURANÇA
• Jamais aponte uma arma, carregada ou não, para qualquer coisa ou alguém que você não pretenda acertar.
• Não engatilhe a arma se não houver a intenção de atirar.
• Excesso de lubrificante ou graxa não é sinônimo de limpeza.
• A arma nunca deve ser apontada em direção que não ofereça segurança quanto a um disparo acidental.
• Nunca deixe uma arma carregada de forma descuidada.
• A arma deve ser tratada como se estivesse permanentemente carregada.
• Tenha certeza de que a arma está descarregada antes de qualquer limpeza.
• Nunca atire em superfícies duras ou planas, porque os projéteis podem ricochetear.
• Munição velha ou recarregável pode ser prejudicial, e seu uso não é recomendado.
• Conheça sua arma, munição e coldre.
• Quando for disparar, e tiver mais de um atirador, um deles deve assumir o comando.
• Para municiar e desmuniciar uma arma, faça sempre com o cano apontado em uma direção segura.

Passagem de arma
• É um importante procedimento na segurança, que deve ser feito ao receber ou passar o posto de serviço.
• Ao passar ou receber uma arma, ela deve estar aberta e sem munição.ARMAS NÃO LETAIS
Espargidor de Agente Pimenta
• No momento iminente de uma agressão, o espargidor de agente pimenta (OC) deve ser acionado contra a face do agressor.
• Um ou dois jatos de 0,5 a 1 segundo são suficientes para incapacitar o agressor.
• Seu uso provoca a dispersão das pessoas afetadas, não sendo necessário o emprego de força física.

Espargidor de Agente Pimenta
• Os efeitos duram cerca de 40 minutos e podem ser minimizados lavando a região atingida com água em abundância e sabão neutro.
• Os espargidores contêm solução de agente pimenta pressurizada.
• Seu uso deve ser feito apenas por pessoas treinadas.
Pistola elétrica não letal
• Dispositivo que utiliza descarga elétrica.
• Possui formato de pistola, com corpo fabricado em plástico de alta resistência, com um desenho que facilita a empunhadura.
• Quando carregada (com quatro dardos e pilhas alcalinas), pesa 255 gramas, podendo ser portada com conforto por longos períodos de tempo.
• Emite um facho de laser para focar o alvo.
• Lança dois ou quatro dardos energizados a uma distância de 10 metros.
• Contém também um dispositivo de descarga elétrica por contato direto, em dois pontos fixos energizados, na parte frontal da pistola.
• A carga de projeção lança os dardos, conectados ao lançador através de filamentos para a transmissão de corrente elétrica.
• A pistola pode aplicar choque direto através dos pontos de contato na extremidade frontal.
• A descarga elétrica, segundo o fabricante, produz um pico de tensão com baixa amperagem, desestabilizando o agressor mesmo protegido por vestimentas de até 5 cm de espessura.
• O choque provoca um espasmo muscular, incapacitando o indivíduo temporariamente.
• A pistola armazena dados do número de disparos, data e hora, facilitando o controle do seu uso.
• Pode-se ainda acoplar uma câmara de vídeo na pistola, para filmar a cena.
Tonfa
• Seu uso foi difundido na polícia norte-americana nas décadas de sessenta e setenta, chegando na Europa na década de oitenta.
• No Brasil seu uso se intensificou a partir da segunda metade da década de oitenta.
• A mão que vai empunhar a Tonfa é denominada mão forte.
• Geralmente é a mão com que se escreve.
• Com a mão forte, segura-se a Tonfa pela empunhadura, mantendo o corpo principal embaixo do antebraço.
Obs: Originou-se do antigo oriente, provavelmente da China, e desenvolveu-se no Japão, onde era utilizada como instrumento de trabalho agrícola. Com o tempo passou a ser usada como arma de luta.

Comentários

  1. Sierra Tatical

    Boa noite,

    Acredito no futuro da segurança pública nesse país quando nossos policiais estiverem melhores equipados para tanto.

  2. EDER MARCOS DA SILVA

    Excelente material

  3. JOSE CLEIDSON SANTOS CAVALCANTE

    COMO E IMPORTANTE ES CURSO

  4. QUE OPORTUNIDADE MARAVILHOSA, VOU FAZER ESTE CURSO SIM!

  5. JOSE CLEIDSON SANTOS CAVALCANTE

    É MUITA RESPONSABILIDADE USAR UMA ARMA, POIS SOU VIGILANTE TENHO O CURSO E ESTOU INTERESSADO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *