Conceitos de Iridologia

  • Imagens da Aula
  • +
  • +
  • Curso

Captura de tela em 2015-09-03 15:38:50

Captura de tela em 2015-09-03 15:39:03

Captura de tela em 2015-09-03 15:39:13

Esta Aula pertence ao Curso de Iridologia oferecido pela Ensino Nacional

certificado1 (1)

INTRODUÇÃO
• É uma ciência que possui um método que permite, através da íris, conhecer a constituição geral e parcial do indivíduo, assim como os estágios evolutivos das alterações que acometem um ou mais órgãos, no organismo como um todo.
• A iridologia também pode ser chamada de iridodiagnose ou irisdiagnose.
• A análise de padrões, cores e outras características da íris permite que se conheçam as condições gerais de saúde da pessoa.
• Através de marcas e sinais encontradas na íris, é possível definir as condições reflexas dos órgãos do corpo.
• Pode-se observar também os depósitos de drogas, as debilidades inerentes e os hábitos de vida de uma pessoa, no que diz respeito a sua alimentação.
• Para alguns autores, a iridologia é uma combinação entre a ciência e a arte de analisar a íris.
• A iridologia é um meio de localizar as causas de um problema e aprender como estes podem ser tratados ou equilibrados.
• Os iridologistas utilizam-se de “mapas da íris” ou de “cartas topográficas” que divide a íris em zonas relacionadas a porções específicas do corpo humano.
• O papel principal da iridologia é o da prevenção, pois através dela é possível identificar as tendências e predisposições genéticas do indivíduo.
• A iridologia apenas aponta órgãos fracos, conhecidos como “órgãos de choque” e realiza um trabalho profilático.
• O iridólogo, ao saber quais são os órgãos mais fracos, indica a pessoa para um médico especialista ou outros profissionais da área da saúde.
• Devido a postura de alguns iridologistas, ela tem sido colocada no campo das linhas místicas, o que faz com que ela seja pouco estudada.
• Há várias vertentes dentro da iridologia, bem como sua utilização que passa desde o diagnóstico preventivo de saúde, seguindo pelas características da personalidade, até testes para recrutamento e seleção de pessoas em empresas.
• A íris, biologicamente, possui o tecido mais complexo do corpo que fica exposto ao mundo externo.
Obs: Em vários países da Europa, Ásia e até nos Estados Unidos, já existem trabalhos científicos que mostram a importância da iridologia como um método que pode colaborar com o médico na elaboração do quadro clínico do paciente.

HISTÓRIA
• Desde a antiga Grécia há o costume de examinar os olhos de uma pessoa para ajudar a avaliar a sua saúde.
• Em obra publicada em 1665, por Philippus Meyeus (Philip Meyen von Coburg), aparece a primeira descrição de princípios da iridologia.
Obs: Foram os gregos que denominaram essa parte do olho (íris) em homenagem a Íris, deusa do arco-íris.

• Em 1695, mais um livro surgiu, “Os olhos e seus sinais”, de Cristian Haertls.
• A introdução da iridologia no campo médico-científico se deu com Ignaz von Peczely, médico húngaro que a descreveu em meados do século XIX.
• Foi ele quem primeiro usou o termo “diagnóstico do olho”.
• Segundo conta a história, quando era jovem, von Peczely observou uma mancha negra no olho de uma coruja que havia fraturado um de seus pés.
• A medida em que a fratura ia se revigorando, ele observou que a mancha escura ia diminuindo até que desapareceu totalmente (o sobrinho de von Peczely desmentiu essa história anos depois).
• Após inúmeras observações, ele elaborou um mapa da íris, demarcando as áreas indicativas de todas as partes do corpo.
• Esse mapa também é conhecido como “chave da íris” e tem sofrido modificações ao longo do tempo.
• Outros nomes importantes na história da iridologia foram: Felke, que descreveu novos sinais iridológicos no início do século XX (fundou o Instituto Felke); Dr. Bernard Jensen, que popularizou a prática nos Estados Unidos; P. Johannes Thiel e Eduard Lahn; Denny Johnson; Adrian Vander; Daniele Lo Rito; John Andrews; Celso Batello; Priscila Esteves e Maria Olanda Pereira; Maria Aparecida dos Santos; Márcio Corrêa; Adalton Vilhena Stracci, etc.

ESCOLAS DE IRIDOLOGIA
Veja algumas das escolas de iridologia que existem:
1 → Iridologia Alemã:
• A iridologia foi sistematizada na Alemanha há cerca de quatro séculos.
• O primeiro livro que citou esse método foi “Chiromantia Medica” de Phillipus Meyens, no ano de 1670.
• Esta escola preconiza apontar as Constituições Geral e Individual da pessoa.
• Através delas é possível dizer qual parte líquida do corpo (humores: sangue, linfa, urina ou enzimas) tem maior dificuldade em eliminar toxinas.
• É possível perceber ainda quais são os órgãos de choque, ou órgãos mais fracos, e que tem maior propensão a adoecer.

2 → Iridologia Método Rayid
• Abrange aspectos psíquicos, classifica quanto à introversão e analisa padrões de relacionamento.
• Foi estipulado por Denny Johnson nos Estados Unidos, por volta de 1980.
• Nasceu da observação e categorização de sinais estruturais e adquiridos.

3 → Iridologia Método Jensen
• É um método americano, criado na segunda metade do século XX pelo médico nutrólogo Dr. Bernard Jensen.
• Neste método, a íris, além de permitir o conhecimento dos órgãos mais fracos, também é indicativa de métodos terapêuticos adequados para promover saúde e qualidade de vida através de medidas simples, como a ergometria e a ingestão de nutrientes pela alimentação.

4 → Olhodiagnose Chinesa
• De acordo com os Clássicos de Medicina Chinesa, a prática de examinar os olhos para apontar quais males estão acometendo o indivíduo é feito há cerca de 5 mil anos.
• A acupuntura usa esse método para reunir dados para definir a prática de tratamento.

DIAGNÓSTICO
Iridologia é um método de diagnóstico que se fundamenta no princípio de que cada órgão do corpo humano tem um lugar de representação na íris, onde os órgãos refletiriam seu estado de saúde. Na iridologia a íris é dividida em muitas partes, cada uma das quais se relaciona com um órgão diferente.

Lacunas
Na íris, as lacunas aparecem como pequenos buracos onde as fibras da íris se separam.
Quando se observa uma lacuna na íris, pode-se concluir que existe ou já existiu um problema na parte do corpo correspondente a essa lacuna.

Existem vários tipos de lacuna:
Lacuna aberta, lacuna fechada, lacuna pera, lacuna torpedo, lacuna escada, lacuna favo de abelha, lacuna aspargo, lacuna folha, etc.

MÉTODO
• Para o exame detalhado da íris, geralmente se usam equipamentos como lanternas, lentes de aumento, câmeras ou lâmpadas de fenda.
• Os achados são comparados a um gráfico que relaciona zonas específicas da íris com porções específicas do corpo humano.
• Normalmente os gráficos dividem a íris em 80 a 90 zonas.
• Iridologistas afirmam que os detalhes da íris supostamente refletem mudanças específicas nos tecidos dos órgãos.
• Há uma outra corrente da iridologia que afirma ser possível identificar deficiências nutricionais e de oligoelementos que causam predisposição ao aparecimento de doenças e podem ser corrigidas antes que se desenvolvam.
• Afirmam também ser possível determinar como a pessoa aprende, se expressa, se modifica e como gera seus relacionamentos.

A CONSULTA DE IRIDOLOGIA
• O atendimento dura em média uma hora, podendo variar de acordo com a pessoa.
• O exame não é invasivo nem doloroso.
• Pode ser feito com um iridoscópio, instrumento dotado de lentes que permitem a observação da íris em detalhe, ou com uma lupa.
• Existem também recursos modernos de captura de imagens, com várias graduações de aumento.
• Ao serem reproduzidas em computador ou vídeo, facilitam a interpretação dos resultados.
• Os iridólogos observam cores, pigmentações, estrias, fendas e anéis na íris.
• Dependendo do tipo de sinal e do setor da íris em que ele se encontra, o iridólogo será capaz de identificar quais são os pontos fortes e fracos da saúde de cada um.
• É possível identificar a energia vital, predisposição ao envelhecimento, acúmulo de toxinas, vulnerabilidade ao estresse, fraqueza dos órgãos e aparelhos, graus de mineralização, entre outros.
Obs: Além disso, é possível ser notados aspectos psicoafetivos. Para isso existe uma parte da iridologia denominada iridologia psicossomática.

• A iridologia atua então de maneira preventiva ou profilática.
• Não deve ser feita em crianças abaixo de 6 anos.
• A iridologia não diagnostica doenças.
• Seu papel é de analisar condições tissulares indicadas na íris.
• Ela não acusa evidência de operações realizadas sob anestesia.
• Com o efeito da anestesia sobre a transmissão nervosa, a íris não registra a condição de um órgão enquanto está anestesiado.
• A íris também não revela gravidez.
• Pedras na vesícula biliar e nos rins não são determinadas pela íris, uma vez que não há envolvimento nervoso.
• A iridologia também não identifica patologia específica do corpo, nem confirma a presença de vírus, parasitas, vida germinal ou invasões bacterianas.
• Ela não prediz a extensão de vida de uma pessoa nem a iminência de sua morte.
• Para os dados serem colhidos com precisão, a dica é buscar um profissional devidamente habilitado.
• O tratamento indicado depende do caso e do profissional que fez a avaliação.
• Normalmente são indicados: fitoterápicos, oligoalimentos, hidroterapia (através de banhos, compressas, entre outros), geoterapia (tratamento com argila), florais, reeducação alimentar, homeopatia, etc.

Comentários

  1. Olá gostei do artigo, espero mais matérias interessante como esta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *