Deficiência Múltipla – Conceitos Básicos

  • Imagens da Aula
  • +
  • +
  • Curso

Captura de tela em 2015-04-07 17:50:17

Captura de tela em 2015-04-07 17:50:29

Captura de tela em 2015-04-07 17:50:51

Esta Aula pertence ao Curso de Educação Especial – Condutas Típicas oferecido pela Ensino Nacional

certificado2

O QUE É DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA
• A deficiência múltipla é a ocorrência de duas ou mais deficiências simultaneamente, sejam intelectuais, físicas, distúrbios neurológicos, emocionais, linguagem e desenvolvimento educacional, vocacional, social e emocional, dificultando sua autossuficiência.
• As deficiências múltiplas atrasam o desenvolvimento global da criança, dificultando sua aprendizagem e autonomia.
• Diante desse quadro, a pessoa pode já nascer ou adquirir baixa visão e deficiência física ou intelectual, cegueira e distúrbios neurológicos, surdez e mobilidade física, entre outros, de níveis que vão de leve a severo.
• A deficiência múltipla não é o somatório dessas características.
• De acordo com a Secretaria de Educação Especial do Ministério da Educação (MEC), o que define deficiência múltipla é o nível de desenvolvimento, as possibilidades funcionais, de comunicação, interação social e de aprendizagem que determinam as necessidades educacionais dessas pessoas.
• Um exemplo são as pessoas que têm deficiência mental e física.
• Em termos numéricos, a presença desse tipo de deficiência na população, é menor.
Obs: No Brasil, segundo dados do IBGE, cerca de 14% da população total são pessoas com deficiência.

TIPOS DE MÚLTIPLA DEFICIÊNCIA
De acordo com alguns autores, a deficiência múltipla pode ser separada pelas seguintes dimensões:
1 → Física e psíquica:
• Associa a deficiência física à deficiência intelectual;
• Associa a deficiência física à transtornos mentais.

2 → Sensorial e psíquica:
• Engloba a deficiência auditiva associada à deficiência intelectual;
• A deficiência visual à deficiência intelectual;
• A deficiência auditiva à transtornos mentais;
• Perda visual à transtorno mental.

3 → Sensorial e física:
• Associa a deficiência auditiva à deficiência física;
• A deficiência visual à deficiência física.

4 → Física, psíquica e sensorial:
• Traz a deficiência física associada à deficiência visual e à deficiência intelectual;
• A deficiência física associada à deficiência auditiva e à deficiência intelectual;
• A deficiência física associada à deficiência auditiva e à deficiência visual.

CARACTERÍSTICAS GERAIS
• As características da deficiência dependem do nível de desenvolvimento e de alteração de cada ordem e a necessidade especial condizente de cada pessoa.
• Algumas características gerais apresentadas são: dificuldade na abstração das rotinas diárias, nos gestos ou na comunicação; dificuldades no reconhecimento de pessoas do seu cotidiano; movimentos corporais involuntários; respostas mínimas a estímulos causados por barulhos, toques, entre outros.
• Dependendo da alteração e desenvolvimento de cada ordem, a pessoa (criança, jovem ou adulto) acometida por esta deficiência poderá frequentar uma escola regular, desde que sua necessidade seja respeitada.
• As crianças com múltiplas deficiências, de maneira geral, aprendem mais lentamente e tendem a esquecer o que não praticam.
• Além disso, possuem dificuldades em generalizar habilidades aprendidas separadamente.
• Elas precisam de instruções organizadas e sistematizadas, e também necessitam de ter alguém que possa mediar seu contato com o meio que o rodeia.

CAUSAS
As causas no pré-natal podem ser: eritroblastose fetal (incompatibilidade de RH), microcefalia, citomegalovírus, herpes, sífilis, AIDS, toxoplasmose, drogas, álcool, rubéola congênita, e síndromes, como Charge, Lennox-Gastaut, etc.
• O período perinatal corresponde ao momento do nascimento ou imediatamente após.
Entre as causas perinatais: prematuridade, falta de oxigênio, medicação ototóxica (podem danificar a audição), icterícia.
• As causas pós-natais podem ser: efeitos colaterais de tratamentos (ex: oxigenoterapia, antibioticoterapia), acidentes, sarampo, caxumba, meningite, etc. Pode ser também acrescentadas situações ambientais causadoras de múltipla deficiência, como acidentes e traumatismos cranianos, intoxicação química, irradiações, tumores, entre outros.
Obs: Quanto antes for fechado o diagnóstico, mais eficazes serão as medidas necessárias para minimizar as limitações.

PREVENÇÃO
Veja o que é possível fazer para prevenir a ocorrência de deficiências:
Antes de engravidar:
• Vacinar-se contra a rubéola (pode afetar o bebê em formação);
• Procurar serviço de aconselhamento genético (principalmente quando houver casos de deficiência ou casamentos consanguíneos na família);
• Fazer exames para detectar doenças, verificar tipo sanguíneo e fator RH.

Durante a gravidez:
• Consultar um médico obstetra mensalmente;
• Fazer exames de controle;
• Somente tomar medicamentos prescritos pelo médico;
• Fazer controle de diabetes, pressão alta e infecções;
• Evitar cigarro e bebidas alcoólicas;
•  Etc.
Depois do nascimento:
• Exigir que sejam feitos testes preventivos no bebê e ter cuidados adequados ao bebê, proporcionando amparo afetivo e ambiente propício para seu desenvolvimento.
A prevenção da deficiência múltipla se divide em três grupos:
Primária:
• Se associa a programas de combate às doenças (ex: vacinações), a acidentes, ao uso de drogas e álcool, como também a prevenção de uso de medicamentos inadequados durante a gestação.
Secundária:
• Se refere a ações que revertem os efeitos e a duração das deficiências, como dietas a crianças que nascem com fenilcetonúria e outras enfermidades, além de tratamentos de saúde e uso de medicamentos apenas quando prescritos por um médico.
Terciária:
• Ocorre por meio de ações que limitam as consequências das deficiências já adquiridas e melhoram o nível de funcionamento da pessoa.

NECESSIDADES DA PESSOA COM MÚLTIPLAS DEFICIÊNCIAS
Podem ser agrupadas em três grupos:
Necessidades físicas e médicas:
A causa mais frequente de deficiência múltipla é a paralisia cerebral, que compromete a postura e mobilidade, limitando os movimentos.
Necessidades emocionais:
Possuem necessidades de afeto, atenção, de desenvolver relações sociais e afetivas, e de estabelecer uma relação de confiança.
Necessidades educativas:
As necessidades educativas são devido a limitações no acesso ao ambiente; a dificuldades em dirigir atenção para estímulos relevantes, a dificuldades na interpretação da informação, etc.

DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA E EDUCAÇÃO
• A maneira como cada deficiência afeta o aprendizado de tarefas simples e o desenvolvimento da comunicação da pessoa varia de acordo com o grau de comprometimento propiciado pelas deficiências, associado aos estímulos que a pessoa recebeu ao longo da vida.
• Para que haja avanço no processo de desenvolvimento em crianças com múltiplas deficiências é necessário o compartilhamento de atendimento multidisciplinar, em que estão incluídas ações integradas entre educação, saúde e família.
• O professor deve estar atento às limitações do aluno e, dentro das propostas de educação inclusiva, deve preparar um conteúdo adaptado às necessidades de cada criança para garantir sua participação em todas as atividades desenvolvidas.
• De acordo com o referencial curricular nacional para a educação infantil, publicado em 2008 pelo MEC, a educação, nesse contexto, tem as funções de cuidar e educar.
• No caso das crianças com deficiência múltipla, que podem apresentar diferentes limitações, o desenvolvimento delas deve partir do conjunto de ações de reabilitação e inclusivas no âmbito social e educacional.
• As diretrizes nacionais para educação especial na educação básica se baseiam na premissa que todas as crianças são capazes de aprender, não importando o grau de severidade da deficiência.
• Quando as crianças com deficiência são incluídas desde cedo em programas de creche e pré-escola que tenham por objetivo o desenvolvimento integral, o acesso à informação e ao conhecimento historicamente acumulado, dividindo essa tarefa com os pais e serviços da comunidade.
• A inclusão requer algumas modificações, tanto de atitude quanto de estrutura dos centros de educação infantil, como: flexibilidade, tolerância, compreensão do comportamento e das necessidades emocionais, provisão de currículo adaptado às necessidades específicas, mobiliário adaptado para execução de atividades, adaptação de jogos pedagógicos, materiais específicos e recursos tecnológicos que favoreçam a interação, a comunicação e a aprendizagem.
• É preciso um trabalho transdisciplinar entre o professor do ensino regular, o professor especializado de apoio, a família e a equipe de suporte (fonoaudiólogo, terapeuta ocupacional, fisioterapeuta, psicólogo, etc.) para avaliar as necessidades específicas e sugerir adaptações e recursos que facilitem o processo de comunicação e aprendizagem da criança.

TECNOLOGIAS ASSISTIVAS – TRABALHANDO COM NECESSIDADES MÚLTIPLAS
• Para trabalhar com pessoas com múltiplas deficiências é preciso buscar atividades funcionais que favoreçam o desenvolvimento da comunicação e das interações sociais, levando em conta as potencialidades da pessoa.
• As tecnologias assistivas permitem a criação de alternativas que possibilitam ao aluno com deficiência fazer parte do processo de ensino-aprendizagem.
• A Tecnologia Assistiva (TA) é a área do conhecimento (de caráter interdisciplinar) que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação de pessoas com deficiência, incapacidade ou mobilidade reduzida, visando sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social.
• A TA está presente em situações quem que há necessidade de comunicação alternativa e ampliada; adaptações de acesso ao computador; equipamentos de auxílio para visão e audição; controle do meio ambiente (por exemplo, adaptações como controles remotos para acender a apagar luzes); adaptações de jogos e brincadeiras; adaptações da postura sentada; mobilidade alternativa; entre outros.
Obs: A tecnologia assistiva pode ir desde uma fita crepe para prender o papel à mesa, até um software leitor de tela para acesso ao computador.

TECNOLOGIA ASSISTIVA
Em resumo, é um conjunto de equipamentos, serviços, estratégias e práticas concebidas e aplicadas para atenuar os problemas encontrados por pessoas com deficiências.

Comentários

  1. Tatiana de Camargo Ferraz da Silva

    Como e importante a inclusão desta pessoas na sociedade!!!

  2. IVONE SOUZA RODRIGUES

    modelos de atividades para trabalhar com alunos com deficiẽncia múltipla

  3. Vanuza de Lima Silva

    Muito bom este curso, eu recomendo, me ajudou.

  4. Ivete Cordeiro dos Reis

    Preciso do curso deficiência múltipla e de surdez com urgência.

  5. Janete Puchalski Breus

    As pessoas portadoras de necessidades especiais estão sendo melhor compreendidas e de certa forma vistas como seres humanos, cidadãos que tem direitos a vida em sociedade, que basta dar-lhes oportunidades desde a escola ao trabalho. a pessoa com deficiência precisa ser vista como alguém que pode aprender, mas deve-se ter o cuidado dos profissionais pois além da aceitação, acessibilidade, materiais pedagógicos adaptados entre outros cuidados.

  6. E lamentavel uma crianca possuir multipla deficiencia

  7. Danyllo Rodrigues

    Concordamos plenamente Rosilene, o mundo seria um lugar melhor se muitas pessoas possuíssem estes conhecimentos.

  8. Maria Edna Brito

    Possuo o curso de Deficiência Múltipla de 200/h. Recentemente participei de uma entrevista onde, não foi reconhecido minha aptidão para trabalhar com pessoas com Deficiência Intelectual (DI), minha pergunta, está correto em não aceitarem o meu certificado? Ao realizar o curso de Deficiência Múltipla, passei por todo procedimento de como agir com as deficiências.

    • Danyllo Rodrigues

      Boa tarde Maria, o que pode ter ocorrido é que para atuar nesta função seja necessário algum diploma na área de educação, por exemplo de pedagogia, pois, muitas profissões exigem um diploma para ser exercida, e tem o certificado apenas como qualificação e capacitação, o que daria para você uma vantagem sobre outra pessoa que possua apenas o diploma.

  9. André Valente

    Muito bom esse texto, bem explicado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *