Necessidades Educacionais Especiais

  • Imagens da Aula
  • +
  • +
  • Curso

Captura de tela em 2014-06-04 10:50:08

Captura de tela em 2014-06-04 10:50:32

Captura de tela em 2014-06-04 10:51:03

Esta Aula pertence ao Curso de Educação Especial – Condutas Típicas oferecido pela Ensino Nacional

certificado2

ESCOLA E EDUCAÇÃO ESPECIAL
• A educação especial é uma modalidade de ensino que tem como objetivo promover o desenvolvimento das potencialidades de pessoas portadoras de necessidades especiais, transtorno global do desenvolvimento ou altas habilidades/superdotação.
• Abrange os diferentes níveis e graus de ensino.
• A classificação do público alvo da educação especial é realizada pelo Ministério da Educação (MEC).
• É o ramo da educação feito em instituições especializadas, como escolas para cegos ou escolas para surdos.
• A educação especial é organizada para atender exclusivamente alunos com determinadas necessidades especiais.
• Por isso as escolas especiais têm sido alvo de críticas por não promover o convívio entre as crianças especiais e as demais crianças.
• O ensino regular precisa ser adaptado e mudar seu plano pedagógico para atender de forma inclusiva todos os tipos de alunos.
• Durante muito tempo a educação de pessoas com necessidades especiais não era contemplada no sistema regular de ensino.
• Foi apenas nas últimas décadas que o tema tem ganhado destaque e o ensino inclusivo está sendo discutido.
• O ensino especial se baseia na crença de que as necessidades das crianças com deficiências não podem ser supridas nas escolas de ensino regular.
• A Constituição Federal descreve que a educação é um direito de todos e dever do Estado, inclusive o atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência.
• Outros documentos legais vieram depois, reafirmando o direto à educação.
• Hoje, a educação especial não é concebida mais como um sistema educacional paralelo ou segregado.
• É uma modalidade de ensino que tem como foco diminuir as barreiras que impedem as crianças de exercer a cidadania.
• Por exemplo, crianças com dificuldade de comunicação aprendem formas alternativas de expressão através de recursos como computadores adaptados, por exemplo.
Obs: Profissionais da Educação Especial: Entre os profissionais que atuam em educação especial estão educador físico, professor, psicólogo, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, terapeuta ocupacional, entre outros.

Classes Especiais
• É uma sala de aula organizada de forma a se constituir em um ambiente próprio e adequado ao processo ensino-aprendizagem do aluno portador de necessidades educacionais especiais.
• A classe especial é uma tentativa de encontrar caminhos e meios que facilitem a aprendizagem desse aluno, utilizando recursos educacionais mais individualizados e professores especializados.

Educação Inclusiva
• A educação é um direito de todos, previsto na Constituição Federal e o ensino inclusivo trabalha com esse pressuposto.
• A educação inclusiva é um processo em que se amplia a participação de todos os estudantes nos estabelecimentos de ensino regular, independentes da sua condição.
• É uma reestruturação da cultura, prática e políticas vivenciadas nas escolas para que respondam à diversidade dos alunos.

ADAPTAÇÃO CURRICULAR
Você sabia que o MEC propôs algumas adaptações curriculares para a educação especial?
• O foco da adaptação curricular é buscar alternativas educacionais para que o currículo seja um agente modificador do processo educacional e possa estar mais próximo da realidade do aluno.
• Essas mudanças têm como objetivo promover o desenvolvimento e aprendizagem dos alunos que apresentam necessidades educacionais especiais, e tem como referência a elaboração do projeto pedagógico e a implantação de práticas inclusivas na rede de ensino.

As adaptações se baseiam em:
• atitude favorável da escola para diversificar e flexibilizar o processo ensino-aprendizagem e poder atender às diferenças individuais dos alunos;
• identificar as necessidades educacionais especiais para poder priorizar os recursos e meios favoráveis à sua educação;
• adotar currículos abertos e propostas curriculares diversificadas, em vez de uma concepção uniforme;
• flexibilidade na organização e funcionamento da escola para atender à demanda de diversidades dos alunos;
• possibilidade de incluir professores especializados e serviços de apoio para favorecer o processo educacional.
• Os critérios de adaptação curricular são os indicadores do que os alunos devem aprender, como e quando aprender, das formas de organização do ensino e de avaliação da aprendizagem.
• As adaptações devem considerar as características individuais dos alunos, as áreas prioritárias, os tipos de apoio mais eficientes, as situações em que o apoio deve ser disponibilizado, quais profissionais irão participar, etc.
• Pode-se falar em dois tipos de adaptação curricular: adaptação de acessibilidade ao currículo e adaptação pedagógica.
• A adaptação de acessibilidade se refere à eliminação de barreiras arquitetônicas e metodológicas, e é um pré-requisito para o aluno frequentar a escola com autonomia.
• Nessa adaptação se incluem as rampas de acesso e banheiros adaptados, por exemplo.
• Já a adaptação pedagógica são adaptações de planejamento, objetivos, atividades e formas de avaliação para incluir os alunos com necessidades educacionais especiais.
Obs: Adaptação de Currículo – Um currículo adaptado visa efetivar a igualdade de oportunidades e oferecer equidade de condições.

CLASSIFICAÇÃO
Grande Porte:
• São mudanças significativas que se dão em diversas modalidades.
• A escola regular precisa fazer as modificações necessárias para atender às necessidades dos alunos.
• As adaptações de grande porte se dividem em: adaptações de objetivos, de conteúdo, do método de ensino e da organização didática, do sistema de avaliação e de temporalidade.

Pequeno Porte:
• Não são mudanças significativas.
• Podem ser efetivadas nas mesmas modalidades, mas de responsabilidade direta do professor regente.
• Diz respeito às ações sob a responsabilidade do professor, sem que necessite de decisão ou autorização de instâncias superiores.
• Se dividem em: adaptações de objetivos, de conteúdo, do método de ensino e da organização didática, do sistema de avaliação e de temporalidade.

Modalidades de Apoio:
• São os recursos que promovem o interesse e capacidades das pessoas, e das oportunidades de acesso a bens e serviços, informações e relações no ambiente em que vive.
• Se classificam em serviços: especializados e de apoio pedagógico especializado.

NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS (NEE)
• Pessoa portadora de necessidades educacionais especiais é aquela que apresenta, em caráter permanente ou temporário, algum tipo de deficiência física, sensorial, múltipla, cognitiva, transtorno global do desenvolvimento ou altas habilidades.
• Por isso necessita de recursos especializados para desenvolver plenamente seu potencial e/ou superar ou minimizar suas dificuldades.
• Crianças com necessidades especiais requerem certas modificações ou adaptações complementares ou suplementares no programa educacional porque apresentam alguma diferença em seu desenvolvimento.
• Essas diferenças podem ser condições visuais, auditivas, mentais, intelectuais, etc.
• O termo “necessidades educacionais especiais” está ligado às dificuldades de aprendizagem, e não necessariamente está vinculado às deficiências.
• Há várias manifestações, de natureza orgânica ou não, de caráter temporário ou permanente, que podem ter consequências no processo educacional.
• As necessidades especiais se caracterizam como manifestações decorrentes de dificuldades de aprendizagem, de limitações no processo de desenvolvimento com comprometimento do desempenho escolar, de dificuldades de comunicação e sinalização, de altas habilidades ou superdotação, etc.
• Um ponto indispensável ao aluno com NEE é o respeito.
• Ele deve ser respeitado, aceito e ter acesso aos mesmos materiais que os demais.
• Para que se sinta incluído ele deve ter as mesmas responsabilidades que seus colegas, sem privilégios.
Obs: O conceito de Necessidades Educativas Especiais foi adotado a partir da Declaração de Salamanca, em 1994, e abrange todas as crianças e jovens cujas necessidades envolvam dificuldades de aprendizagem ou deficiências.

Tipos de NEE
Temporárias:
Estas dificuldades podem se referir à problemas de leitura, escrita e cálculo, ao nível do desenvolvimento motor, perceptivo, linguístico ou sócio emocional.
Estes alunos se desenvolvem em um ritmo mais lento no que diz respeito à área de aprendizagem quando comparadas com as crianças sem NEE.
Geralmente exigem uma adaptação parcial do currículo para que possam se ajustar às características e necessidades dos alunos.

Permanentes:
Exigem uma adaptação generalizada do currículo, que irá se manter durante todo ou grande parte do percurso escolar do aluno.
As NEE permanentes incluem: deficiência mental, dificuldades de aprendizagem, perturbações emocionais, problemas de comunicação, problemas motores, deficiência auditiva, cegueira, surdez, multideficiências, altas habilidades e superdotação, hiperatividades, entre outros.

IDENTIFICAR AS NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS
Aprenda a identificar as necessidades educativas especiais. Veja também algumas sugestões de adaptações para esses alunos.

PAPEL DO EDUCADOR
O professor deve incentivar a socialização da criança com NEE.
• O papel do professor é ser um mediador da aprendizagem, apontar caminhos e fomentar o espírito investigativo em seus alunos.
• É importante que o professor seja capacitado para poder receber o aluno com NEE e poder lhe oferecer as ferramentas necessárias para orientá-lo adequadamente.
• O professor deve ter uma formação sólida e contínua.
• É o conhecimento dos diferentes tipos de necessidades educacionais que auxilia o professor a modificar, quando necessário, os métodos pedagógicos usados em sala.
• O sucesso da inclusão escolar depende em grande parte do trabalho pedagógico do professor na classe.
• Ele deve fazer um planejamento flexível para poder incluir o aluno com NEE e responder as necessidades diferenciadas de seus alunos, propondo situações de ensino-aprendizagem para todos.

Família e o Professor
• Quando o professor receber um aluno com necessidade educacional especial, é recomendado que ele interaja com a família.
• É possível fazer, por exemplo, entrevistas com a família para conhecer a história do aluno e suas necessidades especiais.
• Também é possível identificar as expectativas dos pais em relação ao aproveitamento escolar do filho, e envolver os pais no processo de inclusão desse aluno.
• O professor deve manter um canal de diálogo com a família e estimular sua participação na escola.
• Deve orientar também os pais sobre os deveres de casa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *