Os Conceitos Básicos da Internet

  • Imagens da Aula
  • +
  • +
  • Curso

Captura de tela em 2015-05-06 17:43:09

Captura de tela em 2015-05-06 17:43:31

Captura de tela em 2015-05-06 17:43:44

Esta Aula pertence ao Curso de Introdução a Internet oferecido pela Ensino Nacional

certificado1 (1)

O QUE É INTERNET
• A internet é um sistema de redes mundial de computadores, todos ligados uns aos outros.
• Ao se ligar à internet, tem-se acesso à World Wide Web (WWW).
• A palavra internet vem de “inter” que vem de internacional e “net”, que significa rede, ou seja, rede de computadores mundial.
• A comunicação via internet pode ser de dados, de voz, vídeo, multimídia, etc.
• Para se ligar à internet é preciso configurar um plano com um Fornecedor de Serviços Internet, que é uma empresa que permite o acesso à internet e a outros serviços Web.
• Esta empresa fornece formas diferentes para se ligar, incluindo acesso telefônico, cabo, fibra ótica ou Wi-Fi (internet sem fio).
• Essas diferentes ligações determinam a velocidade do acesso à internet.
• Essas redes de computadores interligadas utilizam o conjunto de protocolos padrão da internet (TCP/IP) para servir aos usuários do mundo inteiro.
• É uma rede de várias outras redes, com alcance local e global, ligadas por várias tecnologias de rede eletrônica, sem fio e ópticas.
• A internet possui uma série de recursos de informação e serviços, como documentos inter-relacionados de hipertextos da WWW, redes peer-to-peer e infraestrutura de apoio a e-mails.
• Ela permitiu a criação de novas formas de interações humanas através de mensagens instantâneas, fóruns de discussão e redes sociais.
• A internet não possui uma governança centralizada, apenas as definições de excesso dos dois principais espaços de nomes na internet, o espaço de endereçamento Protocolo de Internet e Domain Name System, são dirigidos por uma organização mantenedora, a Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números (ICANN).
• As palavras “internet” e “world wide web” são usadas frequentemente como sinônimos.
• Mas internet é uma rede mundial de computadores conectando milhões de dispositivos de computação, e World Wide Web é um dos vários serviços que funcionam dentro da internet.

História
• A internet surgiu a partir de um projeto da agência norte-americana Advanced Research and Projects Agency (ARPA), com o objetivo de conectar os computadores de seus departamentos de pesquisa, na década de 1960.
• Assim surgiu a ARPANET, interligando quatro instituições: a Universidade da California; LA e Santa Bárbara; Instituto de Pesquisa de Stanford e Universidade de Utah.
• Vários estudos e pesquisas se deram a partir deste projeto e, na década de 70, surgiu o TCP/IP (Transmission Control Protocol/Internet Protocol), grupo de protocolos que é a base da internet até hoje.
• No início da década de 80, redes de computadores de outros centros de pesquisas foram integrados à rede da ARPA.
• A entidade americana National Science Foundation (NSF) interligou em 1985 os supercomputadores de seu centro de pesquisa, a NSFNET e no ano seguinte entrou para a ARPANET.
• Essas duas redes passaram a ser a espinha dorsal (backbone) de uma nova rede, a INTERNET.
Obs: Backbone ou alicerces são linhas de capacidade extremamente altas e transportam grandes quantidades de tráfego da internet. São a “internet em si”, sem eles a internet não consegue realizar seu trabalho. Eles são sustentados por agências governamentais e por corporações privadas. Veja alguns dos principais Backbones do Brasil: Oi, Telefônica, Embratel, Comsat Brasil, Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), entre outros.
• Na década de 90 a ARPANET foi desativada, dando lugar ao DRI (Defense Research Internet).
• Nessa época começou o desenvolvimento de um backbone europeu (EBONE), interligando alguns países da Europa à internet.
• Na década de 1990, a internet deixa de ser uma instituição de natureza acadêmica e passa a ser explorada comercialmente, tanto para a construção de novos backbones por empresas privadas quanto para fornecimento de serviços diversos.
• No Brasil a internet iniciou em 1988 quando no Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), no Rio de Janeiro, conseguiu acesso à Bitnet, através de uma conexão de 9600 bits por segundo estabelecida com a Universidade de Maryland.
• Em junho de 2012, mais de 2,4 bilhões de pessoas usaram os serviços da internet, cerca de 100 vezes mais pessoas do que em 1995.
• Segundo uma agência da ONU (Organização das Nações Unidas) a internet possui quase 3 bilhões de usuários, cerca de 40% da população mundial.

COMO A INTERNET FUNCIONA
• Para encontrar e explorar páginas na internet, utiliza-se um navegador de Internet.
• É um tipo de software que permite acesso à internet.
• Basta inserir um endereço Web no navegador para ser levado a este Website.
• Não há um gerenciamento centralizado para a internet.
• É uma reunião de milhares de redes e organizações individuais, e cada uma é administrada e sustentada por seu próprio usuário.
• Cada rede colabora com outras redes para dirigir o tráfego na internet, possibilitando que as informações possam percorrê-las.
Para a internet funcionar é preciso dois componentes principais: hardware e protocolos.

• Hardware:
O hardware inclui desde cabos até ao dispositivo usado para acessar a internet. Também inclui roteadores, servidores, torres de telefonia celular, satélites, entre outros. Estes elementos formam as conexões. Alguns são as pontas finais, como o computador. As máquinas que armazenam informações são os servidores. Existem outros elementos como os nós que servem como ponto de conexão ao longo de uma rota de tráfego. Há ainda as linhas transmissoras, que podem ser físicas, como os cabos e fibras óticas ou sinais de satélites, torres 4G, ou rádios.

• Protocolos:
Conjunto de regras que as máquinas adotam para completar tarefas. Sem esse conjunto de regras a comunicação entre os dispositivos não aconteceria. São os protocolos que fornecem o método e a língua comum que as máquinas usam para transmitir dados. Existem vários protocolos na internet. Por exemplo, http, usado para ver sites no navegador, aparece na frente de qualquer endereço web. Outro exemplo é o protocolo de controle de transmissão (TCP) e protocolo de internet (IP), o TCP/IP, que basicamente estabelecem regras de como a informação passa pela internet. Sem isso, o usuário precisaria de conexões diretas para outros computadores para acessar a informação que eles guardam.
• Os sites se comunicam usando pacotes, que são pequenas quantidades de informação.
• Os pacotes são partes de um arquivo que variam entre 1000 e 1500 bytes.
• Eles têm cabeçalhos e rodapés que dizem aos computadores o que está no pacote e como a informação se encaixa com outros pacotes para criar o arquivo inteiro.
• Cada pacote viaja para a internet e para o computador que o solicitou.
• Eles não tomam necessariamente o mesmo caminho, viajam pelo caminho com menos resistência.
• Quando o servidor do site que se deseja acessar já se comunicou com o da companhia da internet utilizada, a página vai sendo carregada no computador, dependendo da velocidade contratada.
Obs: Os pacotes podem viajar por múltiplos caminhos para chegar ao seu destino, logo é possível que a informação seja roteada em torno das áreas congestionadas na internet. Enquanto algumas conexões permanecem, seções inteiras da internet podem estar fora do ar e mesmo assim a informação pode viajar de uma seção para outra, embora possa demorar mais tempo que o normal.

URL, IP, DNS
• Um URL é o endereço Web que introduz em um navegador para chegar a um Website.
• Todos os Websites possuem um URL. Ex: o URL www.gooogle.com leva ao Website do Google.
• Todo URL tem um endereço IP.
• Este endereço é uma série de números que indica ao computador onde encontrar as informações que se procura.
• Um endereço IP é como um número de telefone, mas longo e complexo.
• Por serem longos e difíceis de se lembrar, criou-se os URLs.
• Desta forma, em vez de introduzir um endereço IP para ir para um Website, basta inserir o URL.
• Cada dispositivo (computador, celular, tablet) usado para conectar a internet possui um IP único.
• A internet possui inúmeros Websites e endereços IP, mas o navegador não sabe automaticamente a localização de cada um deles.
• Para procurar cada um deles existe o DNS (Domain Name System ou Sistema de Nomes de Domínio).
• O DNS traduz um URL, como por exemplo www.google.com, em um endereço IP, levando ao Website que se procura.
• Sem o IP é impossível navegar na internet.
• Quando se acessa informação de outro computador, os protocolos TCP/IP tornam esta transmissão possível.
• A requisição viaja pela internet e atinge os servidores DNS para encontrar o servidor-alvo.
• O DNS vai apontar a requisição para a direção certa.
• É preciso ter uma coordenação global para que o sistema de endereços IP e DNS funcione corretamente, ou seja, para que em qualquer lugar do mundo, para se abrir o site do google, por exemplo, basta digitar www.google.com.
• A organização responsável por atribuir nomes de domínios e endereços IPs em escala mundial é a ICANN.

CAMINHO DA INTERNET
Para a internet chegar até na casa dos usuários, ela percorre um caminho com quatro passos principais. Veja quais são:
1 → Backbone
• É o ponto inicial de referência da internet, o setor que interliga todos os pontos da rede.
• Os backbones são pontos das redes que compõem o núcleo das redes de internet.
• São pontos-chave da internet que distribuem pelas redes as informações baseadas na tecnologia TCP/IP.

2 → Provedor de Acesso
• A partir dos backbones, o sinal da internet passa aos provedores de acesso, que são as empresas que contratam o sinal de backbones para distribuir aos seus usuários.
• Em geral são empresas ligadas ao setor de telecomunicações, ou são as próprias companhias telefônicas que fornecem acesso à internet através de planos acordados com seus usuários.

3 → Provedor de Serviço
• Os dados de internet que irão trafegar na rede precisam de um meio para seu transporte até os usuários, e são as empresas provedoras de serviço as responsáveis por este papel.
• Estas empresas recebem os dados do provedor de acesso e distribuem aos usuários por variados meios (via rádio, fibra ótica, etc.).
• São empresas que devem ser regulamentadas pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicação) e podem ser prestadores de serviço de rede, companhias telefônicas e empresas de telecomunicação.

4 → Usuário Final
• Ao chegar no usuário final, o sinal da internet pode repetir todo o caminho novamente, mas na forma inversa, já que o usuário final também envia sinais (suas requisições) para a internet.

RESUMO DOS CAMINHOS
• Em resumo, os dados enviados pelos usuários são transportados pelo provedor de serviço, enviados para o provedor de acesso e chegam novamente ao backbone.
• A partir do backbone, o processo segue o mesmo caminho inicial até o próximo destino.
• Para ter uma ideia do que acontece, veja o exemplo a seguir.
• Para acessar um artigo online, é preciso abrir o navegador e se conectar ao website que o contém.
• Ao fazer isso, o computador envia uma requisição eletrônica pela conexão de internet para o provedor de acesso.
• Este provedor roteia o pedido para um servidor adiante na cadeia da internet.
• Esse pedido vai atingir um DNS (servidor de nome de domínio).
• Esse servidor vai então procurar por um nome de domínio que corresponda com o nome de domínio que a pessoa digitou no campo de endereço do navegador (como www.google.com).
• Se ele encontrar a correspondência, ele vai redirecionar o pedido ao endereço IP apropriado do servidor.
• Se não encontrar, ele irá enviar o pedido a um nível mais alto da cadeia para um servidor que tenha mais informação.
• Ao achar o servidor requisitado, ele vai responder enviando o arquivo requisitado em uma série de pacotes.
• Quando os pacotes chegam até o computador que o requisitou, o dispositivo (computador usado, por exemplo) os arranja de acordo com as regras dos protocolos.
• É como colocar juntas peças de um quebra-cabeças, e como resultado final, a pessoa vê o artigo.

REDE, INTRANET E EXTRANET
Rede
• Rede de computadores pode ser definida como um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e partilhar recursos, interligados por um subsistema de comunicação.
• Isto é, quando há pelo menos dois ou mais computadores e outros dispositivos interligados entre si de modo a poderem compartilhar recursos, estes podem ser do tipo: dados, impressoras, disco rígido, etc.
• A rede pode ser tão pequena quanto dois computadores ligados por um cabo.
Entre as vantagens em se utilizar uma rede estão:
• Economia de materiais: a rede pode partilhar componentes para que sejam utilizados em vários computadores;
• Custos de manutenção: com uma rede, pode-se diminuir os custos com a manutenção dos equipamentos;
• Partilhar internet: não é preciso ter uma ligação à internet para cada computador da rede, basta utilizar uma única ligação e compartilha-la com os outros computadores da rede.
Obs: A internet, por exemplo, é um sistema que conecta muitas redes de computadores. Existem muitas formas e recursos de vários equipamentos que podem ser interligados e compartilhados, mediante meios de acesso, protocolos e requisitos de segurança. Os meios de comunicação podem ser: cabo, satélite ou comunicação sem fio (wireless). A rede permite a troca de dados entre computadores e a partilha de recursos de hardware e software.

Veja dois tipos comuns de rede:
LAN (Local Area Network): são locais porque cobrem uma área limitada, visto que quanto maior a distância, maior a taxa de erros que pode ocorrer devido à falha de sinal. São usadas para ligar estações de trabalho, servidores, periféricos, em uma casa, escritório, etc.
WAN (Wide Area Network): a WAN abrange uma grande área geográfica, como um país ou continente. A internet é a maior WAN que existe. Em geral uma WAN contém um conjunto de servidores que formam sub redes e ligam redes dentro de uma vasta área, permitindo a comunicação a grande distância.

Intranet
• As empresas precisam de centralização de informações e métodos de comunicação interna para reduzir custos.
• A intranet permite tudo o que a internet dispõe.
• Mas a principal diferença entre elas é que a intranet é restrita a um certo público, por exemplo, todos os funcionários de uma empresa podem acessar a intranet com um nome de usuário e senha devidamente especificados pela coordenação da empresa.
• A intranet também permite utilizar mais protocolos de comunicação e não apenas o HTTP da internet.
• O acesso a intranet geralmente é feito em um servidor local em uma rede local (LAN).

Extranet
• Quando alguma informação ou dado da intranet é aberta a clientes ou fornecedores de uma empresa, a rede passa a ser chamada de extranet.
• Se uma empresa tem uma intranet e seu fornecedor também, e ambas essas redes privadas compartilham uma rede entre si (para facilitar pedidos, pagamentos, etc.), essa rede compartilhada também é uma extranet.
• Os sistemas que permitem isso são os mesmos da intranet, com a diferença de que na extranet é necessário um acesso à internet.
• A diferença básica entre intranet e extranet está em quem gerencia a rede.
• O funcionamento e a arquitetura da rede é a mesma.
• Quem gerencia uma intranet é só uma empresa.
• Já uma extranet, os gerentes são as várias empresas que compartilham a rede.

ENTENDER A INTERNET
E-mail
• E-mail (ou email) significa correio eletrônico.
• Ao enviar um email, em questão de segundos ele chega ao seu destino, sendo uma versão eletrônica de uma carta.
• Assim como o endereço de casa, cada pessoa tem um endereço de email único.
• É preciso criar uma conta de email para poder enviar e receber emails.
• O endereço de email tem a seguinte estrutura: [email protected].
• O símbolo @ (arroba) significa em inglês “at” (em algum lugar).

WWW
• É a sigla para World Wide Web, que pode se traduzir como “teia do tamanho do mundo” e, tal como uma teia, a www é capaz de conectar o mundo.
• O www reúne várias mídias interligadas por sistemas eletrônicos de comunicação e executadas na internet.
• Os arquivos e documentos da www, ou web, pode estar na forma de vídeos, hipertextos, sons e figuras, por isso é considerada um sistema hipermídia.
• Ela funciona a partir de três parâmetros:
URL – especifica o endereço que cada página vai receber. É como ela vai ser encontrada quando os usuários digitarem.
HTTP – é um protocolo de comunicação que permite a transferência de informação entre redes.
HTML – é um método de codificar a informação da internet, para ser exibida de diversas formas.
Juntos, esses parâmetros trabalham da seguinte forma: o hipertexto é codificado com a linguagem HTML, que possui marcas de codificação interpretadas pelos clientes www. O protocolo HTTP realiza a transferência de informação no www e possui suporte aos sistemas de informações e hipermídia.
Domínio
A terminação do endereço de um site pode variar, e ela é quem define a categoria do site.
O Comitê Gestor da Internet possui um catálogo.
Ele fica no endereço http://registro.br.

Veja algumas das atribuições mais comuns:
.COM = indica o endereço de um determinado site comercial (com é abreviatura de comercial).
.ORG = indica o endereço de um determinado site de organização sem fins lucrativos, como ONGs, por exemplo.
.GOV = endereços de determinado sites que sejam do governo, como ministérios, governos estaduais e municipais, etc.
.BR = indica que o site é brasileiro. Cada país tem sua sigla de identificação.

Entre vários exemplos, as atribuições de domínio podem ser:
• No mundo:
Por país: Ex: Brasil – .br.
Nos Estados Unidos: Ex: .edu, .gov, etc.
Genéricos: Ex: .com, .net, .org.

• No Brasil:
Genéricos: .com.br (atividades comerciais), .net.br (atividades comerciais).
Pessoas jurídicas: b.br (bancos), .edu.br (universidades), .ind.br (indústrias).
Pessoas Liberais: .adm.br (administradores), .adv.br (advogados), .eng.br (engenheiros).

Protocolos
Existem vários protocolos de internet, cada um com uma finalidade diferente. Veja alguns:
• Protocolo de internet HTTP (Hypertext Transfer Protocol): é o mais conhecido. Através dele é possível navegar na internet, assistir vídeos, baixar arquivos, etc. É utilizado largamente pelos navegadores de internet para permitir a visualização de páginas e sites.
• Protocolo de internet HTTPS (Hypertext Transfer Protocol Secure): é uma variação do HTTP, só que mais seguro, para evitar fraudes e possibilitar transações financeiras no mundo digital.
• Protocolo de internet FTP (File Transfer Protocol): protocolo destinado a transferência de arquivos.
• Protocolo de internet SMTP (Simple Mail Transfer Protocol): protocolo usado para troca de email entre as pessoas. Envia mensagens eletrônicas entre computadores.
• Protocolo de internet POP3 (Post Office Protocol versão 3): é voltado para recebimento de mensagens. Ao enviar mensagens eletrônicas é usado o protocolo SMTP, e para o recebimento é usado o protocolo POP3. Eles se complementam.

SITE
• O site ou website é um conjunto de páginas web.
• A world wide web é composta pelo conjunto de todos os sites públicos existentes.
• Em um site, as páginas são organizadas a partir de um URL básico, onde fica a página principal.
• Os sites ou são escritos ou são convertidos dinamicamente para HTML e acessados usando um navegador.
• Consistem de páginas HTML estáticas ou páginas criadas usando tecnologias como JSP, PHP ou ASP.
• Um site também requer um software conhecido como servidor web e, frequentemente, os sites também possuem conteúdo armazenado em banco de dados.

Os sites podem ter diversos propósitos, veja:
• Institucional: várias empresas usam seus sites como ponto de contato entre a instituição e seus clientes, fornecedores, etc. Instituições comerciais, por exemplo, usam sites para o comércio eletrônico, recrutamento de funcionários, etc. Os sites também podem ser usados por instituições sem fins lucrativos, para divulgarem seu trabalho.
• Informações: veículos de comunicação usam a internet para veicular notícias, por meio de seus sites. Jornalistas e indivíduos comuns também podem publicar informações na internet, através de blogs e podcasts (transmissão de arquivos multimídia na internet).
• Aplicações: alguns sites possuem conteúdo que consiste de ferramentas de automatização, produtividade e compartilhamento, que podem ser processadores de texto, planilhas eletrônicas, editores de imagem, etc.
• Armazenagem de informações: existem sites que funcionam como banco de dados, que catalogam registros e permitem efetuar buscas, podendo incluir áudio, vídeo, imagens, ou mesmo outros sites. Por exemplo, os sites de busca, catálogos na internet, etc.
• Comunitário: sites usados para a comunicação de usuários com outros usuários da rede. Entram nesta categoria os fóruns e sites de relacionamento.
• Portais: são sites que reúnem conteúdos de diversos tipos, geralmente fornecidos por uma mesma empresa. Agregam a maioria dos serviços da internet em um mesmo local.

NAVEGADOR
• O navegador (ou browser) é um programa que permite visualizar o conteúdo da rede em sua forma gráfica ao invés de códigos HTML (linguagem usada para montar o site).
• Na arquitetura cliente-servidor definida pelo www, o navegador é o lado cliente.
• Para que o navegador funcione corretamente, o Identificador Uniforme de Recursos (URI, de Uniform Resource Identifier) precisa ser conhecido pelo usuário.
• O URI é uma cadeia de caracteres compacta que podem ser usadas para identificar ou denominar um recurso da internet.
• Ele é usado como endereço de um website e geralmente começa com “http:”.
• Este prefixo funciona de maneira a identificar um conteúdo como parte de um Protocolo de Transferência de Hipertexto (http).
• Os navegadores suportam mais do que páginas escritas em código HTML.
• Eles podem processar sons, imagens, vídeos, etc.

Cliente-servidor
• A ideia por trás da arquitetura cliente-servidor é estruturar o sistema como um conjunto de processos cooperativos (servidores) que oferecem serviços aos processos de usuário (clientes).
• A comunicação entre processos no modelo cliente-servidor se dá através da troca de mensagens.
• Esse modelo faz uso de protocolos simples de comunicação, do tipo requisição-resposta.
• Para obter um serviço, um cliente envia uma requisição ao servidor.
• Este executa as operações associadas ao serviço e envia uma resposta ao cliente.
• Um servidor www fica a espera de requisições de usuário (navegadores) pedindo por informações.
• O HTTP é o protocolo utilizado.

O Que é HTML
• HTML é uma abreviação de HyperText Markup Language ou, em português, Linguagem de Marcação de Hipertexto.
• É uma linguagem de marcação usada para produzir páginas na web, e é o que o navegador lê para apresentar a página ao usuário em frente ao computador.
• Linguagem de marcação é uma linguagem com uma sintaxe específica que fornece instruções ao navegador sobre como exibir uma página.
• A HTML distingue e separa o “conteúdo” (palavras, imagens, vídeos, etc.) de sua “forma de apresentação” (instruções sobre como determinado tipo de conteúdo deve ser exibido).
• Ela usa um conjunto pré-definido de elementos para identificar os diversos tipos de conteúdo.
Obs: O HTML é um “padrão vivo” e está em constante evolução. A versão mais atual do padrão HTML é o HTML5, que traz novas funcionalidades e possibilita o uso de novos recursos.

RISCOS DE NAVEGAR
• A internet traz acesso a praticamente tudo, desde informação imediata, cultura, entretenimento, conversas online, entre outros.
• O usuário pode percorrer variados caminhos na internet, realizar pesquisas, explorar conteúdos, acessar sites de relacionamento, entre outras atividades disponíveis na internet.
• Mas nenhuma destas atividades é 100% segura.
• A cada acesso o usuário está expostos a vírus e malware, espalhados por todos os lugares.
• Basta um clique para que o usuário esteja exposto a riscos, como vírus, farsantes e conteúdos impróprios.
• Como os crimes virtuais ainda são pouco solucionados, o melhor é se prevenir.
• Os vírus também são um risco, uma vez que o computador contaminado permite que os ladrões virtuais tenham acesso a contas bancárias e assim, realizar diversos desvios de dinheiro.
• Entre os riscos na web estão: acesso a conteúdo impróprio ou ofensivo; furto de identidade; vazamento de informações; invasão de privacidade; indisponibilidade; sequestro de informações; fraudes bancárias; fraudes de comércio eletrônico.

Veja alguns comportamentos que facilitam para que as situações de risco ocorram:
• acesso a conteúdo impróprio em sites de segurança duvidosa;
• abertura de emails de destinatário desconhecido;
• clicar em links desconhecidos;
• abertura e execução de arquivos sem verificação;
• fornecimento de dados pessoais e financeiros pela web;
• acesso a sites sem conexão segura, etc.
Como se proteger de ameaças

Veja algumas dicas que a fabricante de antivírus ESET lista para se proteger:
• Evitar instalar softwares suspeitos;
• Evitar ser amigável demais nas redes sociais;
• Cuidado com links falsos;
• Suspeitar de presentes online;
• Cuidado com redes de Wi-Fi públicas;
• Manter o software atualizado;
• Redobrar o cuidado com sites de bancos;
• Evitar ver vídeos em sites desconhecidos;
• Não armazenar senhas no navegador.

MARCO CIVIL
• O Marco Civil da Internet, ou Lei nº 12.965 de 23 de abril de 2014, estabelece princípios, garantias, direitos e deveres dos usuários da internet no Brasil.
• É uma lei construída de forma colaborativa entre o Governo e a sociedade, usando a internet como plataforma de debate.
A Lei está pautada em três pilares principais:
• Neutralidade de rede: a neutralidade da rede significa que as informações que trafegam na rede devem ser tratadas da mesma forma, navegando à mesma velocidade (na velocidade da contratação). Através desse princípio os provedores de internet ficam proibidos de ofertar conexões diferenciadas a partir do conteúdo que o usuário for acessar, como email, vídeos, etc.
• Liberdade de expressão: o Marco Civil garante que qualquer pessoa possa se expressar livremente online.
• Privacidade dos usuários: esta Lei estabelece várias diretrizes que se relacionam com a privacidade do usuário da internet. Provedores de conexão e aplicações na internet não serão responsabilizados pelo uso que os internautas fizerem da rede e por publicações feitas por terceiros.
• Até então, não havia regras específicas e as decisões judiciais variavam.
• Por exemplo, alguns juízes punem sites como Google e Facebook, enquanto outros punem apenas o responsável pelo conteúdo.
• Agora, as entidades que fornecem o conteúdo serão responsabilizadas se não acatarem ordem judicial exigindo a retirada dessas publicações.

Comentários

  1. Amadeu Amaral

    Muito bom! Eu estava procurando justo isso na net quando cheguei até seu site hehe
    Já vou salvar nos favoritos
    Abraços

  2. Aline Mesquita

    Muito legal! Eu tinha bastante duvidas, mas isso realmente funcionou contigo? Qual dessas dicas eu devo começar, pois nunca fiz nada disso hehe.
    Obrigado!

  3. Lingerie

    muito esplanador a materia,devemos ficar atento a isso

  4. Lingerie

    site muito bem estruturado ,assuntos de extrema relevancia sou fã de voces parabens pelas exelentes matérias

  5. Ilvania Maria

    Obrigado, suas dicas me ajudaram muito…
    Já salvei o site nos favoritos para acompanhar de pertinho hehe
    beijos

  6. Obrigado pelo conteúdo postado, meus sinceros agradecimentos. Atenciosamente Luiz Carlos Casante

    • Danyllo Rodrigues

      Grato pelas palavras Luiz! Qualquer dúvida estamos à disposição.

  7. Leandro C S

    Excelente disposição de conteúdo. Precisava de informações completas para estudo e esse de fato é muito bom.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *