Pontuação

  • Imagens da Aula
  • +
  • +
  • Curso

Captura de tela em 2013-10-07 16:08:37

Captura de tela em 2013-10-07 16:07:13

Captura de tela em 2013-10-07 16:07:27

Esta Aula pertence ao Curso de Gramática oferecido pela Ensino Nacional

certificado1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O QUE É PONTUAÇÃO?
Você sabe o que é a pontuação?
• A pontuação é um recurso da linguagem que permite expressar na língua escrita o ritmo e melodia característica da língua falada.
• Isso é possível através do uso de um conjunto de sinais gráficos e não gráficos.
• Os sinais de pontuação marcam graficamente a composição de coesão e coerência textual, e ressalta particularidades semânticas e pragmáticas.

Classificação
Os sinais de pontuação podem ser classificados em dois grupos:
• O primeiro compreende os sinais que se destinam a marcar as pausas: vírgula, ponto e ponto-e-vírgula.
• O segundo tem como função marcar a melodia, a entonação: dois pontos, ponto de interrogação, pontos de exclamação, reticências, aspas, parênteses, colchetes, travessão.

Uso da pontuação
• São usados para destacar palavras, expressões ou orações e esclarecem o sentido de frases (evitando a ambiguidade).

SINAIS DE PONTUAÇÃO QUE MARCAM PAUSAS
Veja ao lado os sinais de pontuação que marcam as pausas em um texto escrito.
Ponto (.)
• Utilizado no final de períodos, indicando que o sentido está completo. Ex: A janta está na mesa.
• Quando usado para encerrar um texto escrito recebe o nome de ponto final.
• É utilizado em abreviaturas. Ex: Dr. (doutor), Sra. (senhora), fev. (fevereiro), etc.

Vírgula (,)
• Marca uma pequena pausa no texto escrito e também separa elementos de uma frase, não correspondendo sempre às pausas da língua falada.
• É usada também como marca de separação para: o aposto, o vocativo, o atributo, elementos (e, nem, ou), orações coordenadas, relativas, intercaladas ou subordinadas.
• Tão importante quanto saber usar é evitar o uso desnecessário da vírgula, pois ela dificulta a leitura do texto.
• Exemplo: Andando pelos cantos, sozinha, falava em voz alta e ria, gesticulando.

Ponto e vírgula (;)
• É uma pausa mais longa que a vírgula e mais breve que o ponto.
• É intermediário entre o ponto e a vírgula, indicando que o sentido da frase será complementado.
• Usado em frases constituídas por várias orações, algumas que até já contêm uma ou mais vírgulas.
• Ex: O rio está poluído; os peixes estão mortos.
• Pode ser usado para separar frases subordinadas que dependem de uma subordinante.
• E também para separar uma oração coordenada que tenha um certo sentido, substituindo a vírgula.
• Ex: Gostaria de vê-la hoje; porém só conseguirei na próxima semana.
• E também para separar itens em uma enumeração (é comum em leis).
• Ex: Na festa as crianças encontraram:
• balões;
• brinquedos;
• doces.

Obs: Oração Coordenada X Oração Subordinada
• Há dois tipos de relações que podem ser estabelecidas entre as orações de um período composto (que possui mais de uma oração em sua composição). Pode ser uma relação de coordenação ou de subordinação.
Oração Coordenada: é aquela em que não há dependência uma da outra. Ex: Estou comprando um protetor solar, depois irei à praia. Ou seja, se separarmos as frases em duas: “Estou comprando um protetor solar” e “Irei à praia”, vemos que são independentes, não precisam uma da outra para ter sentido.
Oração Subordinada: já as orações subordinadas estabelecem uma relação entre si, e, portanto pedem um complemento. Ex: Não fui trabalhar porque estava doente. “Porque estava doente” precisa de um complemento para seu sentido ficar completo.

SINAIS DE PONTUAÇÃO QUE MARCAM MELODIAS E ENTONAÇÕES
Veja alguns dos sinais de pontuação que marcam a melodia e entonações na língua escrita.

Dois Pontos (:)
• Esse sinal de pontuação indica um prenúncio, ou seja, comunica que um enunciado se aproxima.
• Correspondem a uma breve pausa da linguagem oral e uma entoação descendente (oposto da entoação ascendente da pergunta).
• Anuncia uma citação, ou enumeração, ou esclarecimento, ou uma síntese do que se acabou de dizer.
• Os dois pontos são utilizados na matemática como símbolo da divisão.
• Pode ser usado de duas maneiras: quando se muda o foco do assunto, como nesse exemplo: Depois de pagar, ele se convenceu: – Tudo bem, você estava certo.
• Ou ainda para mostrar itens de uma justaposição. Exemplo: Conclusão: depois de tanto estudar e noites sem dormir, eles passaram na prova.
• Podem também ser usados na introdução de exemplos, notas ou observações. Exemplo: Observação: o autor preferiu utilizar a linguagem culta nesse caso.
Obs: Em correspondência (social ou comercial), a invocação pode ser seguida de dois-pontos ou vírgula. Ex: “Estimado amigo:” ou “Prezados senhores,”

Ponto de Interrogação (?)
• É usado no final de uma frase interrogativa.
• Indica uma pergunta. Ex: Que horas são?
• Entoação ocorre de forma ascendente.
• E também pode aparecer ao final de uma pergunta intercalada, entre parênteses. Ex: Quem trabalha feliz (alguém duvida?) é mais produtivo.
• Não é usado em perguntas indiretas. Ex: Perguntei quem faltou hoje.
• Pode ser usado junto com a exclamação. Ex: Você?! Não imaginava!Ponto de Exclamação (!)
• É usado para expressar sentimentos, emoções, dor, admiração, ironia, surpresa e estados de espírito. Ex: Parabéns pela promoção!
• Utilizado após frases exclamativas e imperativas.
• Possui entoação descendente.
• Pode ser utilizado também com interjeições e locuções interjetivas. Ex: Cuidado!
• Pode substituir o uso da vírgula em um vocativo enfático. Ex: João! Venha até aqui!
Obs: Interjeição: palavra que exprime estado emocional, sensações e estados de espírito. É uma maneira de expressão do interlocutor.
Reticências (…)
• Podem ser usadas para marcar uma interrupção de pensamento, indicando que o sentido da oração ficou incompleto.
• Nesse caso a sequência vai vir em maiúscula, já que a oração foi fechada com um sentido vago proposital, iniciando a outra à parte. Ex: Como durava a bateria do meu antigo celular… Não se fazem mais como aquele.
• Caso haja uma continuidade do pensamento anterior, como uma longa pausa dentro da mesma oração, leva ao uso de minúscula para continuar a oração. Ex: Escutando um barulho, João desceu as escadas… apenas para ver que não havia ninguém lá.
• Pode ser uma introdução de suspense, complementando o sentido em seguida.
• Pode indicar continuidade de uma ação ou fato. Ex. O tempo passa…
• Representa na escrita hesitações comuns na língua falada. Ex: Eu não quero ir… porque… porque não estou me sentindo à vontade.
• Realça uma palavra ou expressão, além de realizar citações incompletas. Ex: Foi pedido para considerar esse trecho do hino nacional: “Deitado eternamente em berço esplêndido…”
• E também deixa o sentido da frase em aberto, o que permite uma interpretação pessoal do leitor. Ex: Ele disse que não vem, mas se vier…ASPAS E PARÊNTESES
Você sabe quando utilizar as aspas e os parênteses em um texto escrito?Aspas (“)
São usadas para:
• Delimitar citação. Ex: Como disse Allen Ginsberg: “Quem quer que controle a mídia, as imagens, controla a cultura.”
• Para referência de títulos de obras ou legendas. Ex: Camões escreveu “Os Lusíadas” no século XVI.
• Para realçar uma palavra ou expressão. Ex: Ela reagiu de forma impulsiva e lhe disse logo um “não”.
• Para indicar estrangeirismos, neologismos, gírias, expressões populares, ironia. Ex: Que “maravilha”: nosso voo foi cancelado!
Obs: Aspas simples – Se já houver aspas, e for necessário utilizá-las novamente, empregam-se as aspas simples. Ex: O parlamentar afirma que “por pressão de grupos conservadores, a ‘generosidade’ norte-americana exclui países mais pobres de seus programas de benefícios”.Parênteses (( ))
Usados para evidenciar uma observação ou informação intercalada no texto, que pode não pertencer ao discurso, mas pode esclarecer o assunto.
São empregados para:
• Separar qualquer indicação de ordem explicativa, comentário ou reflexão. Ex: Este termo (verbo de ligação) já foi explicado anteriormente.
• Incluir dados informativos sobre bibliografia (autor, ano de publicação, editora, páginas, etc). Ex: “Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria.” (Machado de Assis, em Memórias Póstumas de Brás Cubas).
• Isolar orações intercaladas com verbos declarativos, substituindo vírgulas e travessões. Ex: Afirma-se (não se prova) que ele recebeu propina para liberar os alvarás.
• Delimitar o período de vida de uma pessoa. Exemplo: Carlos Drummond de Andrade (1902 – 1986).
• Indicar possibilidades alternativas de leitura. Exemplo: Prezado (a) leitor (a).
Obs: As frases dentro dos parênteses não costumam ser longas, mas devem manter uma pontuação própria, além da normal do texto. Pode ficar interno aos parênteses quando há uma frase completa contida neles.
• Ex: Eu acredito (E tudo leva a crer que sim.) que o caso está encerrado.
Caso o enunciado contido nos parênteses não for uma frase completa, o sinal de pontuação ficará externo.
• Ex: A competição começou em São Paulo (Brasil) e terminou em Buenos Aires (Argentina).
Exceto o ponto, não se utiliza sinal de pontuação antes do parêntese. Se o sinal coincidir com o parêntese de abertura, opta-se por colocá-lo depois do parêntese de fecho.OUTROS SINAIS DE PONTUAÇÃO
Mais alguns sinais de pontuação que marcam a entoação e melodia da língua falada para a escrita.
1 → Travessão (─)
É um traço maior que o hífen e pode ser utilizado para:
• Marcar o início e o fim das falas em um diálogo e diferenciar cada um dos interlocutores. Exemplo:
– Quem vai comigo?
– Eu irei, mãe.
• Separar expressões ou frases explicativas intercaladas. Ex: Ela me apresentou à suas filhas – adoráveis crianças – e ao seu marido.
• Destacar algum elemento no interior da frase. Ex: “Junto do leito meus poetas dormem – O Dante, a Bíblia, Shakespeare e Byron – Na mesa confundidos”. (Álvares de Azevedo).
• Pode também ser usado para substituir os parênteses, vírgulas e dois-pontos. Ex: Cruel, egoísta e selvagem – é assim que ele vê a arte – acima de preceitos e religiões.

2 → Meia risca (–)
Também chamada de traço de ligação ou traço médio. É usada para:
• Unir valores extremos de uma série, como números (1-10), letras (A-Z) ou outras, indicando ausência de intervalos na enumeração.
• Serve também para unir palavras que tenham um nexo lógico. Ex: A rodovia Belém-Brasília.

3 → Colchetes ([ ])
Tem a mesma finalidade que os parênteses, mas seu uso está restrito aos escritos didáticos, filológicos e científico. Pode ser usado:
• Em dicionários, referenciando a etimologia da palavra. Ex: amor- (ô). [Do lat. amore.] 1. Sentimento que predispõe alguém a desejar o bem de outrem ou se alguma coisa. (Novo Dicionário Aurélio).
• Para intercalar palavras ou símbolos que não pertencem ao texto, para inserir comentários e observações em textos já publicados, e para indicar omissões de partes na transcrição de um texto. Ex: “É homem de sessenta anos feitos […] corpo antes cheio que magro, ameno e risonho” (Machado de Assis).

4 → Barra (/)
• Utilizada em abreviações de datas e em algumas abreviaturas.
• Era muito usada na Idade Média para marcar uma pausa mais breve.
• Aos poucos foi substituída pela vírgula.
• Também é muito usada na linguagem de programação de computadores.
• Assim como o hífen, as barras podem indicar relações opositivas ou contrativas. Ex: fala/escrita, claro/escuro, dia/noite.

5 → Hífen (-)
• Liga elementos de palavras compostas e também une pronomes átonos a verbos (é menor que a meia-risca). Ex: Vice-prefeito.
Obs: Pontuação na Linguagem Contemporânea
Alguns autores da linguagem contemporânea consideram que a pontuação tende a organizar logicamente o texto, e não por elementos rítmicos e melódicos. Com isso, autores como o português José Saramago, utilizam as pontuações de forma incomum, chegando a ter frases que ultrapassam mais de uma página.

PONTUAÇÃO EM CONCURSOS
O exercício a seguir é um exemplo do que costuma cair em concursos.
Responda antes de ver qual é a resposta correta.

Pontuação em concursos
• Pontuação é um assunto que sempre cai em concursos, sendo considerado um item obrigatório.
• Aproveite o exercício a seguir para estudar.

Questão tirada do concurso CESPE – 2012 – STJ
• Veja o seguinte texto:
A um coronel que se queixava da vida de quartel, um jornalista disse:
– E o senhor não sabe como é chato militar na imprensa.
(Sírio Possenti. Os humores da língua)
• Com relação às ideias e aos aspectos linguísticos do trecho acima, julgue os itens a seguir:
O ponto final empregado logo após “imprensa” poderia ser corretamente substituído por reticências.
(  ) certo
(  ) errado
Resposta: Certo.

• A banca não questiona se o uso de reticências altera o sentido ou qualquer outra coisa, pergunta APENAS se o ponto final pode ser trocado por reticências.
• Reticências: podem marcar uma interrupção de pensamento, indicando que o sentido da oração ficou incompleto, ou uma introdução de suspense, depois da qual o sentido será completado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *