Trabalhe com Fotografia

  • Imagens da Aula
  • +
  • +
  • Curso

trabalhe-com-fotografia

trabalhe-com-fotografia2
trabalhe-com-fotografia3

Esta Aula pertence ao Curso de Fotografia Digital oferecido pela Ensino Nacional

Curso com Certificado

Formas de trabalhar com fotografia

Basicamente, há duas maneiras de trabalhar como fotógrafo: contratado ou autônomo.

Fotógrafos contratados podem trabalhar para estúdios ou agências. Eles podem ser especializados, por exemplo, em fotografias de produtos, pessoas ou fatos, no caso de fotojornalistas.
Como autônomo, há diversas possibilidades de ganhar dinheiro com a fotografia. A fotografia pode ser um complemento da sua renda, então é uma atividade menos formal. Ou pode ser a sua única fonte de renda, exigindo um nível maior de dedicação, planejamento, organização, investimento, entre outros.

Confira algumas ideias para vender fotografias de forma autônoma:
Cadastrar gratuitamente suas fotos em sites que vendem imagens na internet. Elas ficam disponíveis para serem compradas e você ganha uma porcentagem do valor. É um valor pequeno, mas a mesma imagem pode ser comprada por várias vezes e fica disponível por tempo indeterminado.
Se você gosta de esportes e tem experiência com fotografia de ação, pode encontrar equipes esportivas que estejam interessadas em seu trabalho. Acompanhe os jogos, mostre seu trabalho e tente vender suas imagens. No caso de um campeonato regional, você pode tentar vender as imagens para um jornal local.

Você pode também tentar fazer acordos com donos de estabelecimentos comerciais, como bares e restaurantes, por exemplo, para expor suas fotografias como decoração. Talvez seja necessário arcar com os custos de impressão, mas vale a pena pelo espaço que você terá para divulgação do seu trabalho.
Outra ideia é tentar vender suas imagens para serem utilizadas em produtos de papel, como calendários, cartões e pôsteres. Procure empresas locais e mostre seus melhores trabalhos.
Esta pode ser também uma boa forma de divulgação.

Os segmentos voltados para animais de estimação estão em alta. Se você gosta deste ramo, pode tentar fazer books de animais com seus donos, ou fotos de animais para decorar lojas especializadas, como pet shops, por exemplo.
Crie sua própria página na internet. Além de ser uma excelente forma de divulgação do seu trabalho, também é a maneira mais eficaz de ser encontrado por pessoas de qualquer parte. É importante que sua página seja constantemente atualizada e tenha dados de contato. Saiba usar essa ferramenta com esperteza e tenha a consciência sobre quais imagens devem ser divulgadas. Trate como uma página profissional, não pessoal.

Fotografe imóveis! As imobiliárias geralmente fazem as próprias fotografias dos imóveis a serem vendidos. Você pode tentar surpreendê-las com imagens profissionais! Escolha alguns imóveis, faça bons trabalhos e arrisque!

Estúdio Fotográfico
Abrir um estúdio fotográfico exige muito mais do que conhecimento fotográfico. É preciso, entre outras coisas, ter noções de administração, conhecer o mercado e estar preparado para ser um prestador de serviço.
Saber organizar seu tempo é outra tarefa importante. Seus horários serão condicionados pelos clientes e seu “tempo livre” deve ser dedicado à divulgação. Ao cobrar pelo tempo, não esqueça a edição.
Num estúdio próprio, controlar ganhos e gastos é tão importante quanto fotografar. Se você não pretende contratar um administrador, aprenda a gerenciar suas finanças para não ficar no prejuízo.

Quanto vale seu trabalho?
Dois fotógrafos famosos têm opiniões interessantes sobre o tema:
“Você não fotografa com sua máquina. Você fotografa com toda a sua cultura.”
(Sebastião Salgado)
“Um fotógrafo não faz uma fotografia apenas com sua câmera, mas com os livros que leu, os filmes que assistiu, as viagens que fez, as músicas que ouviu e as pessoas que amou.” (Ansel Adams)

 

Serviços fotográficos
Com um estúdio fotográfico, você também atuará como um prestador de serviços (assim como o fotógrafo contratado) e tem que estar preparado para atender aos pedidos dos clientes. A diferença entre ser contratado e ter um estúdio próprio é que como autônomo você não terá apenas um, mas vários chefes: seus clientes!
Trabalhando como fotógrafo profissional, você também pode ser contratado por empresas ou agências para fazer trabalhos ocasionais, como imagens para catálogos, por exemplo.
É provável que casamentos, ensaios de grávidas e festas infantis sejam maioria em sua agenda, mas você deve estar pronto para executar qualquer tipo de tarefa. Talvez algum cliente tenha ideias absurdas, mas se você quer ganhar dinheiro para manter seu negócio, encontre a melhor maneira de atendê-lo.

Tente adaptar a ideia do cliente de acordo com as suas possibilidades. Por exemplo: o cliente quer um ensaio nadando no mar, mas você não tem equipamento à prova d’água. Você pode sugerir um lago ou uma piscina (onde a proximidade com ele seria maior) para poder fazer fotografias sem que você ponha em risco seu equipamento.

Além de dominar as técnicas adequadas para cada tipo de evento, a criatividade também é importante. Não quer dizer que você não possa fazer as fotografias clássicas de casamento, por exemplo, mas os gestos (como cortar o bolo a dois) podem ser captados em novos ângulos, com uma perspectiva original.
É importante também aprender a fotografar diferentes segmentos. Descobrir novos nichos de mercado e especializar-se é uma alternativa interessante. Ensaios com idosos ou com recém nascidos, por exemplo, são segmentos que têm ganhado mais espaço. Depende da sua afinidade e interesse em especialização.

Saiba que o aprendizado nunca termina. Mesmo que você não se especialize em nenhuma área, é interessante fazer cursos e workshops para manter-se atualizado. As novidades na área fotográfica não estão restritas aos equipamentos e tecnologias.
Procure sempre conhecer o máximo que puder sobre seus clientes. Saber o que eles gostam de fazer, com o que trabalham, como usam o tempo livre, o que fazem para se divertir, seus filmes preferidos… São informações que podem gerar ideias para imagens que tenham mais  aproximação emocional com eles.

Como Montar um Estúdio
Confira dicas importantes para ter um espaço fotográfico (tutor)

Há três elementos básicos necessários para que um espaço fotográfico tenha condições de funcionar de forma satisfatória para você e para os clientes. São eles: o local, o fundo e a iluminação.

  • Sobre o local, é importante observar as dimensões, as cores, a localização geográfica, entre outros. Alguns fatores dependem do que você deseja fotografar. Para fotografar pessoas, o espaço terá que ser maior do que para fotografar objetos pequenos (fotografia still), por exemplo.
  • Quanto ao fundo, a principal característica dele é ser infinito. Ou seja, o encontro entre o piso e a parede  é arredondado. Pode ser feito de alvenaria, madeira ou tecido. No caso de ser feito de madeira ou tecido, pode ser móvel.
  • A iluminação merece muita atenção. Você precisa, basicamente, de três tipos de fontes de luz: luz principal, luz de preenchimento e luz de fundo. Caso haja alguma luz natural que possa interferir (uma janela, por exemplo) ela deve ser coberta de forma eficiente.
  • O estúdio também deve ter outros ambientes como camarim, cozinha, banheiro, depósito e escritório. É importante também ficar atento aos registros nos órgãos governamentais como a Receita Federal e a Secretaria da Fazenda, por exemplo.

Dicas para fotografar ambientes fechados
Quando o cliente solicita imagens de ambientes fechados, como o quarto do bebê, por exemplo, é interessante saber algumas técnicas. Elas vão te ajudar bastante na hora de valorizar os lugares e fazer a imagem ficar mais bonita.

Use lente grande angular
Como o nome já diz, essa lente é capaz de cobrir ângulos bem abertos. A lente grande angular simula um pouco a visão periférica do olho humano e transmite a sensação, para o observador da fotografia, de estar “presente” no local.

O tripé pode ser importante
Além de evitar imagens tremidas, com o tripé você pode ter ângulos diferentes. Como a cena é imóvel, você pode compor a fotografia sem pressa para conseguir o resultado desejado sem muitas tentativas.

Use o visor digital
Talvez com a câmera no tripé você não consiga o melhor ângulo para olhar pelo visor ótico. Sem problema, é também para essas situações que o visor digital está ali! E em ambientes fechados é pequena a chance de reflexos.

Preste atenção nos detalhes da cena
Algumas vezes você poderá modificar o ambiente e retirar dele os objetos que julga desnecessários. Quando isso não for possível, encontre o melhor ângulo para registrar uma imagem menos poluída.Tilt-Shift
Descubra o que é e aprenda a usar essa técnica em suas fotografias!

Tilt-shift é um efeito que faz com que imagens reais pareçam maquetes. Quando surgiu, ele era obtido com uma lente capaz de fazer movimentos sem ser desacoplada do corpo da câmera. Hoje pode ser feito com programas de edição.
O efeito atinge o objetivo graças aos desfoques em áreas específicas. O olho humano estranha estes desfoques anormais e interpreta a imagem como uma miniatura. É uma técnica que modifica a profundidade de campo.

Mas não são todas as fotografias que podem ser transformadas. Há algumas dicas para que suas fotos em estilo tilt-shift sejam mais “convincentes”. Uma dica simples é escolher imagens (ou fotografar) imaginando se elas poderiam parecer maquetes.

É interessante escolher imagens que retratem a cena num ângulo de cima para baixo, como são observadas as maquetes. É importante também que o assunto principal esteja centralizado e longe das bordas horizontais, já que elas são as áreas da imagem que vão ser desfocadas.
Escolha imagens em que as pessoas não estejam tão perto da câmera, porque suas feições e a proporção mostrariam que não são miniatura. Prefira planos abertos, com vários elementos. Imagens assim são mais fáceis de serem transformadas em fotografias de maquetes.

Geralmente as cores das maquetes são mais fortes e brilhantes do que na realidade. Na hora de fotografar, é interessante que você escolha uma cena com objetos contrastantes. Assim as cores podem ser evidenciadas na edição, com o aumento do brilho e do contraste.
Você pode usar programas de edição como o Photoshop ou o Gimp para desfocar as extremidades horizontais das imagens. Mas há também aplicativos como o TiltShift Generator ou o TiltShift Maker que fazem o efeito de uma forma bem mais prática!

 

Comentários

  1. Interessante.

  2. Marcos Paulo

    Excepcional essa sua explicação, precisamos de foco e muito trabalho, parabéns pelo belo e oportuno artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *